sábado, 30 de julho de 2011

Iso Stretching


O método Iso Stretching foi desenvolvido na França nos anos 70 por Bernard Redondo. O termo é a combinação de duas palavras: isometria - tipo de exercício onde há contração muscular sem movimento e stretching, termo em inglês que significa alongamento. Trata-se de exercícios posturais globais, com a finalidade de prevenção e correção das alterações músculo-esqueléticas, das disfunções da coluna em geral e da postura. No Brasil, vem sendo aplicado desde 1994.

Trabalha-se a caixa torácica por intermédio da expiração forçada e, por consequência a inspiração, associando uma contração dos abdominais e glúteos, permitindo um equilíbrio da cintura escapular, da cintura pélvica e da coluna vertebral.

Uma das vantagens do método é que o fisioterapeuta pode trabalhar em grupos. Os atendimentos têm duração média de 50 minutos, com frequência de 2 vezes por semana.

O Iso-stretching consiste em uma ginástica terapêutica composta por exercícios que permitem simultaneamente alongar e fortalecer isometricamente os músculos do corpo atuando na prevenção e no tratamento das alterações osteomusculares.

Por que fazer o iso-stretching?
A técnica ajuda a aumentar a força muscular e como não tem impactos, não causa lesões musculares. Recomendado para todas as idades e tipos físicos, pois a força das contrações isométricas do alongamento é controlada e estabelecida de acordo com a potência muscular de cada um, a pessoa trabalha dentro do que o seu corpo suporta.

Realiza-se um trabalho de conscientização corporal, em que o indivíduo passa a conhecer seus próprios limites. As posturas são feitas com o paciente sentado, deitado e em pé, trabalhando a respiração simultaneamente.

Nas sessões de iso-stretching, o ideal é utilizar roupas para ginástica ou aquelas que não atrapalham o movimento. As sessões podem ser individuais ou em grupos, o número de pessoas varia de acordo com cada profissional. Isso porque enquanto o aluno desenvolve o exercício, o fisioterapeuta vai orientando e corrigindo cada um.

Benefícios
  • Diminuição das dores;
  • Possibilita correção da postura;
  • Melhora a flexibilidade/elasticidade e o alongamento da musculatura;
  • Fortalece isometricamente a musculatura;
  • Evita a incontinência urinária;
  • Melhora condição física;
  • Aumenta a conscientização corporal;
  • Melhora a circulação sanguínea e linfática;
  • Aumenta a capacidade cardiorrespiratória;
  • Diminui as tensões musculares, promovendo bem-estar e qualidade de vida.

Pilates

"Segundo PILATES, os exercícios do seu método devem obedecer seis princípios: concentração, controle, centralização de força, fluidez, precisão e respiração"

Joseph Hubertus Pilates Nasceu na Alemanha em 1880. Era uma criança doente que sofria de asma, raquitismo e febre reumática. Sua determinação em se tornar fisicamente mais forte o levou a estudar varias formas diferentes de movimento durante toda sua vida. Na juventude estudou e se tornou especialista em cultura física, mergulho e ginástica.

Durante a Primeira Guerra Mundial, em 1912, Joseph Pilates ganhava a vida na Inglaterra como lutador de boxe e foi considerado um inimigo estrangeiro sendo preso em um campo de concentração. Pilates tornou-se então enfermeiro e treinou os outros estrangeiros com os exercícios de cultura física que havia criado. Sua técnica só foi reconhecida quando nenhum dos internos daquele campo sucumbiram a uma epidemia de gripe que matou milhares de pessoa na Europa em 1918. Em 1926 Pilates emigrou para os Estados Unidos e fundou um studio na cidade de Nova Iorque. Denominando seu método como '' Contrologia ".

Joseph Pilates viveu uma vida longa e saudável, morreu em 1967, aos 87 anos. Desde então o método cresceu muito e hoje em dia, o Método Pilates não é usado mais somente como atividade física, mas também para fins de reabilitação, podendo tratar uma grande variedade de patologias.
Pilates naquela época já estava 50 anos à frente do seu tempo. A definição de Pilates para um bom condicionamento físico é a obtenção e manutenção do desenvolvimento uniforme do corpo, saúde mental e ser capaz de realizar com facilidade suas atividades de vida diária.

Todos os exercícios para Joseph Pilates eram baseados em fortalecimento muscular com alongamento, por isso ele já dizia na época: se um indivíduo tem 20 anos e está encurtado, é um velho. Porém se tem 60 anos e tem flexibilidade e força é um jovem.

Hoje em dia as pessoas no mundo todo estão se tornando cada vez mais esclarecidas quanto à importância de uma boa forma física para que se possa levar uma vida feliz e saudável.

O que é Pilates?
O Método Pilates é um programa de exercícios que trabalha corpo e mente ao mesmo tempo, mantendo os dois no mais perfeito equilíbrio sendo uma educação corporal completa, onde se trabalha o corpo como um todo, desde a musculatura mais profunda até a mais periférica, envolvendo força, flexibilidade, e respiração.
Todos os movimentos são precisos e coordenados, não há impacto, movimentos rápidos ou violentos. O número de repetições é baixo, a fim de que não se chegue a exaustão. Os exercícios acompanham o ritmo respiratório e trabalham o maior número possível de grupos musculares.

Indicações
Indicado para todas as idades, pode ser praticado pelos mais variados grupos de pessoas como método preventivo ou de reabilitação, pois possui um grande repertório de exercícios que podem ser adaptados ou modificados para todos os tipos de condicionamento físico, necessidades e objetivos dos mais diversos públicos como idosos, gestantes, atletas, entre outros.


Benefícios do Método
  • Melhora da postura e mobilidade articular
  • Alivio de tensões causadas pelo estresse
  • Harmonia entre força e flexibilidade prevenindo lesões e dores
  • Melhora/ Desenvolve a consciência (controle) corporal
  • Melhora do Equilíbrio e coordenação motora
  • Melhora da vitalidade/ percepção física e mental
  • Músculos tonificados e alongados
  • Corpo e silhueta delineados
  • Estimula a circulação
  • Coluna forte e flexível
  • Fortalece musculatura abdominal
  • Previne osteoporose

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Reeducação Postural Global - RPG

O QUE É RPG (REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL)?

A Reeducação Postural Global, R.P.G., é uma técnica da fisioterapia nascida da obra "O Campo Fechado”, publicado por Philippe Emmanuel Souchard em 1981, na França, após quinze anos de pesquisas no domínio da biomecânica.
Atualmente ela é ministrada aos fisioterapeutas por Souchard e sua equipe, na França, em Saint-Mont (departamento do Gers), e em oito países, entre os quais o Brasil.
Foi apresentada em conferências em mais de quinze países e, hoje, mais de oito mil fisioterapeutas a praticam no mundo. A R.P.G. se aplica a todas as patologias que requerem fisioterapia: problemas morfológicos, articulares, neurológicos, traumáticos, respiratórios e esportivos.
Os tratamentos são individuais e duram cerca de uma hora. Para a prevenção e a manutenção, pode-se praticá-la em autoposturas. Para preservar a originalidade, a integridade e a qualidade do ensino do método, a marca R.P.G. foi objeto de registro no INPI:
  • Na França em 31 de julho de 1984
  • A nível internacional em 13 de julho de 1995
  • No Brasil em 21 de dezembro de 1999
A RPG tem oito posturas que trabalham o corpo todo simultaneamente, dando ênfase, cada uma delas, a uma cadeia muscular. As posturas nada mais são que movimentos lentos, graduais e progressivos que duram, em média, 20 minutos cada. A sessão de RPG dura uma hora e os tratamentos variam de uma a dezenas de sessões, mas a média é de 12 sessões. O objetivo é alongar e descomprimir o corpo, permitindo que os músculos se automatizem a ficar nas posições fisiologicamente corretas.
A roupa deve ser leve, geralmente duas peças – biquíni ou top e shorts. Não é necessário o uso de tênis.
A atenção não é voltada apenas à correção da postura e ao fortalecimento dos músculos, mas também à respiração adequada. Deitado, sentado ou em pé, o paciente deve ter participação ativa durante o tratamento e o que foi trabalhado na sessão deverá ser levado para além das paredes do consultório. 
Não existe limite de idade para utilizar essa técnica. De crianças a idosos, todos podem ser tratados e beneficiados. A RPG não ajuda apenas a tratar as dores. Também pode ser uma ótima aliada na hora de prevenir. A idéia é a mesma: ensinar a posição adequada.

DOENÇAS QUE A RPG TRATA:
- Ortopédicas: pés planos e cavos, joelhos valgos (para fora) ou varos (para dentro), joanetes, escoliose,  hipercifose (corcunda) e hiperlordose (desvios da coluna vertebral), dor cervical, dorsal e lombar
- Neurológicas: hérnia de disco e labirintite
- Reumatológicas: artrites, artrose, bursite e tendinite
- Respiratórias: asma e bronquite
- Somáticas: estresse, distúrbios circulatórios e digestivos.


quarta-feira, 27 de julho de 2011

Conheça algumas ginásticas corretivas

Vários pacientes me perguntam sobre diferentes técnicas de fisioterapia, então resolvi postar as principais características dos mais conhecidos métodos. Nos próximos posts, descrições mais detalhadas de cada uma das técnicas.

· REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL (RPG)
O que é: baseado na idéia de que os músculos estão interligados em cadeia, o fisioterapeuta francês Philippe Souchard desenvolveu, em 1981, a RPG. O método trata o paciente como um todo com alongamento específicos, mesmo que a dor esteja concentrada no pé ou na coluna. Uma má postura, por exemplo, pode sobrecarregar outras partes do corpo.
Indicações: pacientes com dor muscular aguda ou crônica, hérnia de disco, cifose, escoliose e pessoas com problema nas articulações.


· ISOSTRETCHIG
O que é: essa modalidade de ginástica postural foi criada com um enfoque preventivo. Diferentemente da RPG, a aula é dada em grupo e com a ajuda de bolas, bastões e caneleiras. A técnica procura corrigir a postura e tornar os músculos mais resistentes. Pode ser um complemento para a RPG.
Indicações: pacientes com dores crônicas na coluna vertebral, adolescentes com desvios posturais, idosos sedentários e todas as pessoas que queiram se prevenir de dores musculares.


· PILATES
O que é: realizado em diversos equipamentos, o Pilates é uma forma de condicionamento físico que trabalha o alongamento, a força e o relaxamento. A técnica deixa o corpo definido, mas não cria tanta massa muscular quanto os exercícios de musculação. A técnica ajuda as pessoas a manter a postura, sendo também um complemento para a RPG.
Indicações: pessoas que buscam desenvolver a força e o equilíbrio muscular.


terça-feira, 26 de julho de 2011

Coluna Vertebral

A coluna vertebral constitui o eixo do corpo.

Ela é composta de 33 a 34 vértebras divididas da seguinte maneira:

7 vértebras cervicais.
12 vértebras torácicas ou dorsais.
5 vértebras lombares.
5 vértebras sacrais (unidas).
4 a 5 vértebras coccígeas (unidas).
Entre as vértebras estão os discos intervertebrais, os "amortecedores".
A coluna apresenta curvas fisiológicas (normais) conhecidas como lordose e cifose. Lordose é o nome dado à curva da região cervical e lombar. Cifose é o nome dado à curva da região torácica e sacral. A acentuação dessas curvas (aumento ou diminuição) leva a alterações posturais, deformidades e consequentemente dor. O aumento das curvaturas recebe o nome de hipercifose e hiperlordose. A deformidade da coluna lateralmente é conhecida como escoliose.
Abaixo algumas figuras para ilustrar o texto.












Orientações Posturais

Manter boa postura aumenta a tolerância à dor e reduz o nivel de stress

Andar com a coluna ereta transmite uma imagem positiva, elegante e ainda reduz a sensibilidade à dor, diz pesquisa das universidades do Sul da Califórnia e de Toronto divulgada esta semana. No estudo, publicado na revista "Journal of Experimental Social Psychology", os autores afirmam que adotar uma postura dominante faz com que as pessoas se sintam poderosas e fortes emocionalmente. Estes novos dados reforçam outros que indicam que a postura correta eleva o nível de testosterona, que aumenta a tolerância à dor, e reduz o de cortisol, o hormônio do estresse.

Dados da Organização Mundial de Saúde mostram que, ao longo da vida, 80% da população mundial têm pelo menos um episódio de dor na coluna. E o sintoma, que era mais comum a partir dos 40 anos, hoje é queixa também entre adolescentes e jovens: 5,3 milhões de brasileiros sofrem de hérnia de disco.

Medidas simples em casa, no trânsito e no trabalho podem evitar os desvios e as dores nas costas. O fisioterapeuta Eduardo Cadidé, do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral (ITC), lembra que a prevenção inclui manter o peso corporal correto, fortalecer a musculatura e reeducação postural, medidas que podem ser tomadas em qualquer idade.

- Má postura, inclusive durante o sono, exercícios mal feitos, repetição de movimentos e hereditariedade são as principais causas de dores nas costas - diz Cadidé, que em parceria com o fisioterapeuta Helder Montenegro, lançou a cartilha "Guia de postura Dr. Coluna", da qual selecionamos algumas dicas para os leitores.

Cirurgia de coluna só em último caso
Para as pessoas que já sofrem com as dores de coluna há opções de tratamento eficazes, diz Cadidé, incluindo medicamentos, técnicas de fisioterapia, como reeducação postural global (RPG), pilates, acupuntura e, em poucos casos, as cirurgias.

- Uma alternativa eficaz é o método Reconstrução Músculo Articular (RMA), com índice de sucesso de até 87%, especialmente em casos de hérnia de disco - afirma Cadidé. A técnica associa fisioterapia manual, mesas de tração e descompressão, aparelho que trabalha o músculo transverso do abdômen e exercícios de musculação.

Ilídio Pinheiro, chefe do Serviço de Ortopedia do Hospital São Vicente de Paulo, no Rio, reforça que é preciso corrigir a postura e evitar a sobrecarga nas vértebras, devido a movimentos inadequados e esforços físicos, como, por exemplo, inclinar o tronco para frente ao levantar um peso. E lembra que fatores psicológicos, entre eles ansiedade e estresse, influenciam no aparecimento ou na persistência das dores de coluna:  Erros de postura muitas vezes estão associados ao estado emocional.

Antes de indicar qualquer tratamento, é preciso ter o diagnóstico exato, que dependerá de exame clínico detalhado e de imagens - sempre iniciando com radiografia simples - e testes laboratoriais. Drogas só com receita médica, alerta o especialista.

- Medicamentos, principalmente anti-inflamatórios, devem ser usados com moderação e em pacientes sem contraindicações, como úlcera, cardiopatias e alergias. A cirurgia é reservada para os casos graves ou pacientes que não respondem ao tratamento convencional - comenta.

Medicamentos só por pouco tempo

Já o médico Renato Tavares, do Centro de Tratamento das Doenças da Coluna do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), diz que uma das principais queixas é a lombalgia, que pode ser causada por contraturas musculares, artrose, estreitamento do canal lombar, traumatismos, hérnia, infecções, osteoporose e outras doenças reumatológicas. Além da dor pode haver sintoma de dormência e fraqueza das pernas ou dos pés.

- A lombalgia é comum em pessoas ansiosas e estressadas - diz Tavares, acrescentando que prevenir a dor nas costas é mais fácil do que tratar uma lesão; e que os exercícios de alongamento e fortalecimento da musculatura da coluna, do abdômen e das pernas devem ser feitos pelo menos três vezes por semana.
Outra reclamação frequente é o bico de papagaio (a osteofitose ), a formação óssea anormal na proximidade das articulações das vértebras devido à sobrecarga local. Dores fortes e sensação de queimação nas costas são alguns de seus sintomas.

- Nesses casos, a prática de RPG traz excelentes resultados - diz o médico Marcio Taubman, do Centro de Reumatologia e Ortopedia Botafogo. - Cuidar da postura é fundamental. Dormir de bruços, por exemplo, pode causar o bico de papagaio.

Os médicos reforçam que os medicamentos devem ser usados com receita e apenas para aliviar a dor nos períodos de crise, pois não são isentos de efeitos colaterais, como, por exemplo, gastrite ou problemas nos rins. E quando a queixa persiste além de seis meses, mesmo com tratamento clínico, deve-se considerar a necessidade de cirurgia, diz Tavares

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Nutry Eu Quero Viver Bem - 6 escolhas para uma vida melhor




http://www.euqueroviverbem.com.br/index.php?splash

Quem tem direito de Prescrever Órteses e Próteses??

Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais têm mais uma grande razão para comemorar: a partir de agora, o Sistema Único de Saúde (SUS) reconhece o direito desses profissionais de prescrever “órteses, próteses e materiais especiais não relacionados ao ato cirúrgico”, por meio da publicação da Portaria SAS/MS N° 661, de 2 de dezembro de 2010.

Tal conquista amplia significativamente a atuação dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais no SUS e em clínicas e hospitais particulares por todo o país. Essa vitória é fruto do empenho do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), que atua nesta causa há mais de um ano, realizando diversas reuniões junto ao Ministério da Saúde.

“A inclusão das órteses, próteses e materiais especiais não relacionados ao ato cirúrgico na Classificação Brasileira de Ocupação (CBO) dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais significa o reconhecimento da atuação desses profissionais nestas áreas pelos ministérios da Saúde e do Trabalho e Emprego” afirma o conselheiro do Coffito, Adamar Nunes. Entre os procedimentos incluídos, estão a prescrição de calçados ortopédicos, muleta axilar, prótese mamária, cadeira de rodas, andador, palmilhas, coletes, cintas e outros.

Para acessar a lista completa das órteses, próteses e materiais especiais não relacionados ao ato cirúrgico, incluídos na CBO dos fisioterapeutas e dos terapeutas ocupacionais, siga as orientações abaixo:

1. Acesse sigtap.datasus.gov.br;

2. Clique em “Acessar tabela unificada";


3. Clique em “Procedimentos”;

4. Clique em “Publicados”;

5. Clique em “Consultar”;

6. Na guia “Grupo”, selecione a opção “07 – Órteses, próteses e materiais especiais”;

7. Na guia “Sub-Grupo”, selecione a opção “01 - Órteses, próteses e materiais especiais não relacionados ao ato cirúrgico”;

8. Na guia “Forma de Organização”, selecione a opção “01 – OPM auxiliares da locomoção” ou a opção “02 – OPM ortopédicas”;

9. Na guia “Competência”, selecione “01/2011”;

10. Clique na lupa (localizar);

11. Após isso, clique nas órteses, próteses e materiais especiais de sua escolha quando, então, abrirá uma página com todo histórico deste instrumento;

12. Clique, então, na guia “CBO”, localizada na parte de baixo da página.



Fonte: COFFITO

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Estudo aponta sete medidas para se evitar Alzheimer

Pesquisadores americanos divulgaram uma lista com sete medidas que poderiam evitar milhões de casos do mal de Alzheimer no mundo todo.
Os sete fatores são ligados a estilo de vida: não fumar, ter uma dieta saudável, prevenir o diabetes, controlar a pressão arterial, combater a depressão, fazer mais atividades físicas e aumentar o nível de educação.

De acordo com o estudo dos cientistas da Universidade da Califórnia, em São Francisco, a metade dos casos da doença no mundo se deve à falta destas medidas de saúde e basta uma redução de 25% nos sete fatores de risco para evitar até 3 milhões de casos.

Os detalhes da investigação foram divulgados na revista científica "The Lancet" e apresentados na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer, que ocorre em Paris.

CAUSAS DESCONHECIDAS

As causas do mal de Alzheimer, forma mais comum de demência, ainda não são totalmente conhecidas. Mas, os estudos demonstraram que vários fatores estão ligados à doença, incluindo fatores genéticos, idade e estilo de vida.

Pesquisas já realizadas mostraram que vários fatores de risco podem ser modificados para evitar a doença, como por exemplo, doenças cardiovasculares, níveis de atividade física, estímulo mental e dieta.

Mas, até o momento, não estava claro até que ponto uma pessoa poderia evitar o Alzheimer modificando algum destes fatores de risco.

Para conseguir esta resposta, os pesquisadores usaram um modelo matemático sobre os riscos do Alzheimer no mundo todo.

Com este modelo, os cientistas calcularam a porcentagem global de casos de Alzheimer que poderiam ser atribuídos a diabetes, hipertensão, obesidade, tabagismo, depressão, baixo nível de educação e falta de atividade física.

Os resultados mostraram que a metade dos casos da doença no mundo parecem ser causados por estes fatores, que estão ligados ao estilo de vida e podem ser modificados.

NÍVEL EDUCACIONAL

O fator que parece causar a maior porcentagem de casos da doença, segundo os pesquisadores, é o baixo nível educacional (19%), seguido pelo tabagismo (14%), falta de atividade física (13%), depressão (11%), hipertensão na meia idade (5%), obesidade na meia idade (2%) e diabetes (2%).

Juntos, estes sete fatores de risco contribuem para os 17,2 milhões de casos de Alzheimer no mundo, o que corresponde a 51% dos casos globais da doença.

"Nos surpreendeu descobrir em nosso modelo que os fatores de estilo de vida, como o baixo nível educacional, falta de atividade física e tabagismo parecem contribuir para um número maior de casos de Alzheimer do que as doenças cardiovasculares", disse Deborah Barnes, que liderou o estudo.

"Isso sugere que mudanças relativamente simples no estilo de vida podem ter um impacto dramático no número de casos de Alzheimer no decorrer do tempo", acrescentou.

A pesquisadora destacou, no entanto, que estes são apenas cálculos matemáticos e serão necessários estudos mais amplos em várias populações para comprovar estes dados.

Mesmo assim, segundo os pesquisadores, estes cálculos são uma "suposição importante " e qualquer coisa que ajude a evitar a grande carga que esta doença significa para os serviços de saúde é positiva.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/bbc/946616-estudo-aponta-sete-medidas-para-se-evitar-alzheimer.shtml

Sul-africano biamputado faz índice para correr Mundial e Olimpíada

O atleta biamputado Oscar Pistorius, 24, conseguiu fazer o tempo necessário para disputar os Jogos Olímpicos de Londres, ano que vem, e o Mundial de Daegu, na Coreia do Sul, em agosto próximo.

O sul-africano Oscar Pistorius compete nos 400 metros na República Tcheca, em maio passado

O sul-africano que usa próteses de fibra de carbono nas duas pernas correu os 400 metros em 45s07 nesta terça-feira, em Ligano, na Itália, batendo seu recorde pessoal que era de 45s61 (o índice necessário era de 45s25).

Como comparação, o tempo de 45s07 daria ao atleta a quinta colocação na Olimpíada de Pequim, em 2008. O recorde mundial é do americano Michael Johnson, com 43s18, batido em 1999.

Com quatro medalhas de ouro na Paraolimpíada (três em Pequim-08 e uma em Atenas-04), Pistorius se tornou o primeiro amputado a conseguir classificação para um Campeonato Mundial. Para Londres-12, apesar do índice, ele ainda depende de seleção do comitê olímpico da África do Sul.

"Sinto algo surreal ao ter o tempo de qualificação A na mochila para os Jogos Olímpicos do ano que vem. Obrigado a todos pelo apoio", escreveu o sul-africano em sua conta no Twitter. "Não pude dormir de tão feliz", completou.

HISTÓRICO

Pistorius ganhou notoriedade ao ganhar o direito de lutar por uma vaga na Olimpíada de Pequim após decisão favorável da CAS (Corte Arbitral do Esporte).

Antes, sua participação estava vetada pela Associação Internacional das Federações de Atletismo, porque suas próteses de fibra de carbono, conhecidas como Cheetah Flex-Foot, supostamente dariam a ele uma vantagem competitiva diante de atletas sem deficiência.

Apesar de ter obtido o direito de competir nos Jogos Olímpicos, Pistorius não obteve o índice necessário para participar do evento e tampouco foi convocado pela África do Sul para integrar o revezamento do país na disputa do 4 x 400 m.

O sul-africano compete na categoria T44 (amputados abaixo do joelho em apenas um perna), mesmo fazendo parte da T43 (amputados abaixo do joelho nas duas pernas). Além dos 400m, Pistorius também conquistou o ouro paraolímpico nos 100 m e 200 m rasos, ambas na categoria T44.

Nascido sem a fíbula --osso que conecta o joelho ao calcanhar-- nas duas pernas, Pistorius teve que amputá-las sob o joelho quando tinha somente 11 meses de idade.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/esporte/946135-sul-africano-biamputado-faz-indice-para-correr-mundial-e-olimpiada.shtml

Atropelamentos e acidentes com motos lideram ranking de internações em SP

As duas causas juntas correspondem a 40% das internações por trauma no pronto-socorro do Hospital das Clínicas da USP

 
Estudo feito pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, ligado à Secretaria de Estado da Saúde, mostra que atropelamentos e acidentes com motocicletas são as principais causas de internação por traumas no Serviço de Cirurgia de Emergência e Trauma do pronto-socorro do Instituto Central.
As vítimas de atropelamentos representaram 20,5% das internações por traumas, seguido por 19,5% de acidentados por motocicletas. Os dados são referentes aos atendimentos realizados no ano passado. Os homens são a maioria das vítimas, 62,9% em atropelamentos e 89,3% dos acidentados com motos.
Entre as vítimas com até 16 anos, 30% dos casos internados foram por atropelamento e 5% por acidentes de motos. De 17 a 30 anos, 39% das internações foram por acidentes de moto e 21% por atropelamento. De 31 a 45 anos, 21% se referem a atropelamento e 17% por acidente de moto. De 46 a 60 anos, 22% das internações foram por atropelamento e 5% por motos. Já entre os pacientes maiores de 60 anos, 23% dos acidentes foram por atropelamentos e apenas 1% de acidentados com motocicletas.
" O número elevado de internações por trauma, além de onerar todo o sistema de saúde, traz um comprometimento social e da esfera trabalhista" , explica Fernando P. Leitão, professor do Departamento de Cirurgia do HC-FMUSP.
No Serviço de Cirurgia de Emergência e Trauma, 43% dos pacientes atendidos possuíam algum tipo de trauma. Entre esses pacientes, 11% precisaram de internação.
 
Fonte: Secretaria de Saúde de SP

quarta-feira, 20 de julho de 2011

USP cria robô para reabilitação de fratura no antebraço

Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) criaram um sistema robótico móvel, integrado a um videogame, para ajudar na reabilitação de pessoas que tiveram fratura no rádio distal (osso do antebraço, que vai do cotovelo ao punho).
Lesões nessa região são comumente encontradas por ortopedistas em prontos-socorros, associadas a quedas sobre a mão, na tentativa de diminuir o impacto.
Enquanto o paciente joga videogame com um joystick (e, assim, faz exercícios de forma lúdica), sensores do dispositivo monitoram a execução dos movimentos.
Dados sobre os exercícios são então enviados para um computador, para que o fisioterapeuta avalie a amplitude do movimento, a velocidade e a aceleração. Esses dados mostram ao profissional a evolução do tratamento.
"O robô pode comprovar os ganhos da fisioterapia e se houve melhora ao longo do tempo. A avaliação qualitativa é substituída por dados, não fica no achismo", diz Glauco Caurin, coordenador da pesquisa e professor da Escola de Engenharia da USP de São Carlos, onde foi criado o dispositivo.



FUTURO
Segundo Caurin, ainda não dá para saber quando esse sistema vai estar disponível na prática clínica.
Mais estudos precisam ser feitos para adequar o produto às normas da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e de órgãos análogos nos EUA e na Europa.
O dispositivo foi testado por 15 pessoas da própria universidade, para avaliar seu funcionamento e itens como conforto e segurança.
"Quando os trabalhos científicos alcançarem uma maturidade maior e os testes clínicos comprovarem a sua eficácia, poderemos transferir o robô para uma empresa", diz.
O pesquisador esteve no Laboratório Newman de Reabilitação Biomecânica, do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), para aprender sobre a aplicação do sistema em hospitais.
Caurin afirma que o grupo de pesquisa está estudando usar o robô na reabilitação de outras articulações do braço, da mão, da perna e do pé, para diferentes tipos de lesão.
"O equipamento pode ser programado para atender outras necessidades. É possível imaginar no futuro uma 'academia de robôs', para diversos tipos de problema."
Gil Lúcio Almeida, presidente do Conselho de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Estado de São Paulo, elogia a busca de novas tecnologias para a reabilitação e diz que outros tipos de robôs são usados por pessoas com mobilidade reduzida na AACD, por exemplo.
No entanto, ele acredita que o custo de um dispositivo como o que foi criado pela USP não compensaria seus potenciais benefícios. Equipamentos semelhantes no exterior custam cerca de US$ 90 mil.
"Um bom clínico consegue avaliar a evolução do paciente, o ganho da força e a volta do controle dos movimentos. Os mesmos objetivos podem ser alcançados com a prescrição correta de exercícios simples", afirma ele.

domingo, 17 de julho de 2011

Quiz: você sabe comer fast food de forma saudável?

Descubra se suas escolhas são as melhores para a sua saúde

http://yahoo.minhavida.com.br/teste/questionario.aspx?testeID=53&passo=1#quest

Afastamento do trabalho por uso de droga cresce 22% em 2011

Há quatro meses, Daniel Meana, 33, levou um ultimato dos donos da empresa que gerencia: ou parava de usar drogas ou seria demitido.
Ele prometeu deixar o vício. A doença, no entanto, foi mais forte, desabafa Meana.
Gastou R$ 900 de um adiantamento em menos de um dia -saiu da companhia às 14h de sábado e voltou para casa às 2h de domingo. "Fiquei bebendo cerveja e cheirando cocaína", lembra.
A perda de controle gerada pela experiência e uma briga o fizeram parar. O profissional decidiu buscar ajuda em clínica de reabilitação.
Depois de um mês internado, voltou à empresa e teve seu cargo de volta. O rendimento profissional melhorou tanto que recebeu aumento.
Histórias como a do gerente têm se repetido no Brasil. No primeiro semestre de 2011, 21.273 trabalhadores foram afastados de seus postos para tratar transtornos causados pelo uso de substâncias psicoativas -que agem no sistema nervoso central produzindo alterações de comportamento, humor e cognição.

ALTA DE 22%
O número representa crescimento de 22% em relação ao mesmo período de 2010 (17.454). São licenças concedidas pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) por problemas causados por uso de drogas ilícitas como cocaína e abuso de remédios sedativos e estimulantes, como antidepressivos e ansiolíticos (para controle da ansiedade).
Dos executivos, 15% usam substâncias psicoativas, segundo pesquisa do HCor (Hospital do Coração) com 829 pessoas de abril de 2009 a março de 2010, obtida com exclusividade pela Folha.
Competitividade, pressão por resultados e solidão são uma combinação explosiva entre executivos. Com receio de perder o posto e impelidos a trazer retorno para a companhia, muitos escondem o uso de drogas -sejam ansiolíticos sejam drogas ilícitas.
"O executivo é muito solitário, e o ambiente é altamente competitivo. A demonstração de fraquezas é duramente tratada", afirma Antonio Carlos Worms Till, diretor da clínica Vita Check-Up.
A imagem que as corporações têm dos profissionais que compõem o alto escalão é a de heróis. "Se ele não for o super-homem, será preterido em relação a outros e malvisto politicamente", frisa.
O cenário torna a identificação de executivos para tratamento e auxílio dentro das companhias uma tarefa hercúlea. A dificuldade é sentida até mesmo em hospitais.
As psicólogas Mariana Guarize e Janaína Xavier Santos, que coletaram dados sobre uso de remédios controlados e drogas ilícitas para pesquisa no HCor, contam que, frequentemente, o profissional só assume o uso de psicotrópicos em entrevista, não em formulários.

Fonte: http://classificados.folha.com.br/empregos/944530-afastamento-do-trabalho-por-uso-de-droga-cresce-22-em-2011.shtml

Projeto Hospital Amigo do Idoso pretende preparar o Brasil para o envelhecimento da população

O Brasil é um país em envelhecimento. A idade média do brasileiro, que era de 20 anos em 1980, terá duplicado em 2030. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), serão mais de 40 milhões de idosos - pessoas acima de 60 anos - ou 19% da população. No campo da saúde pública, o Brasil ainda está em fase gestacional das mudanças que serão necessárias para se adequar à nova realidade. A concepção do Hospital Amigo do Idoso é um dos projetos pioneiros da área e carrega um conceito bastante simples: adequar os hospitais às necessidades básicas do idoso. O projeto foi um dos pontos de destaque do Congresso Internacional ‘A Saúde do Idoso’, organizado pelo Hospital do Servidor Estadual, em São Paulo, de 7 a 9 de julho.
A criação e implementação do Hospital Amigo do Idoso (HAI) deve se espelhar no já existente Hospital Amigo da Criança, uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Criança (Unicef) de 1990 que preza pela qualidade do atendimento das crianças e incentiva a amamentação. O programa chegou ao Brasil por uma iniciativa do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe), que administra o Hospital do Servidor Estadual, com o objetivo de responder a uma necessidade interna da instituição. "Hoje, 60% das nossas internações são de pessoas acima dos 60 anos", diz Latif Abrão Junior, superintendente do Iamspe.
De acordo com Alexandre Kalache, consultor internacional e ex-diretor do Departamento de Envelhecimento e Saúde da Organização Mundial de Saúde durante 14 anos, criar o Hospital não é simplesmente transformá-lo em um centro geriátrico especializado. “É uma preparação que vai do espaço físico à abordagem médica”, diz. Em termos práticos isso significa adequar o local com rampas e iluminação, mas também treinar da recepcionista ao médico, para que eles saibam como atender o idoso. “No envelhecimento não há uma patologia, mas sim várias doenças que existem ao mesmo tempo. O médico não pode tratar uma hipertensão sem ter um olhar global da saúde daquele paciente, por exemplo”, diz Kalache.
No Brasil, o modelo padrão está sendo criado em dois lugares: no próprio Hospital do Servidor Estadual e no Hospital São Mateus, localizado na periferia da capital. Como o país segue o caminho inverso das grandes potências e envelhece antes de enriquecer, é inviável que venha de fora um padrão a ser copiado. “Se isso acontecer, apenas os mais ricos terão suporte. O país precisa criar seu próprio modelo para que ele seja viável ao maior número de pessoas possível”, diz Kalache. A expectativa é que dentro de, no máximo, três anos o Servidor Estadual já tenha pensado nessa maneira de se fazer um HAI no Brasil, esteja preparado fisicamente e possa ainda transferir conhecimento aos demais hospitais do país. “Temos apenas 15 anos para nos preparar. É um tempo curto, mas é possível”, diz Kalache.
Cuidados paliativos — O cuidado paliativo é uma prática que procura oferecer mais conforto ao paciente com doença limitadora ou que esteja em estado terminal. Segundo Henrique Parsons, membro da Academia Nacional de Cuidados Paliativos e ex-membro do Departamento de Cuidados Paliativos do MD Anderson, nos Estados Unidos, no Brasil ainda não há programas de formação de profissionais habilitados nessa prática. “Os profissionais que trabalham com isso foram se especializar no exterior. Mas é importante que a prática vire rotina e esteja na pauta dos cursos de medicina”, diz.
No Brasil, ainda há poucos lugares de referência em cuidados paliativos, mas destacam-se, segundo Parsons, o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Hospital do Servidor Estadual, o Hospital do Câncer de Barretos e o Instituto da Criança da Universidade de São Paulo. O Conselho Federal de Medicina (CFM) estuda a possibilidade de criar uma cadeira de especialização em cuidados paliativos. Qualquer médico, após o término da residência médica, poderia se especializar nessa área de atuação.

sábado, 16 de julho de 2011

A paixão!

Este poema foi escrito por uma paciente minha chamada Rosalina Wilscenski. É muito bonito. Ela é muito talentosa, escreveu vários outros e já ganhou alguns prêmios. Compartilho abaixo um de seus poemas:


Estou só, em minha frente há um  pedaço frio de papel esperando minhas quantes e poucas palavras, não sei  que dizer...
Não sei o que vou dizer, mas sinto que precisa saber que te amo!
Tem que saber de toda a paixão que há dentro de mim, do meu coração.
Não consigo escrever nada...
Minhas mãos tremem...
Abro a janela e olho a noite...
Silêncio total...
A madrugada mal iniciada começa a se envolver em véus de neblina, logo vem um novo dia...
E minha solidão vai continuar...
Minha mente voa, sai ligeira buscando um pouco de você.
Sei que talvez durma, procuro imaginar sua cabeça sobre o travesseiro e sinto ciúmes dos sonhos que pode estar sonhando...
Sinto vontade de correr pela noite, gritando seu nome...
Procurando você, o tempo passa lento arrastando...
Fecho meus olhos para imaginar melhor você, em minha mente a figura suave do seu rosto, do seu corpo, das suas mãos, do seu sorriso...
Então cheia de saudades escrevo só uma frase que diz tudo:
EU TE AMO!
Eu e minha paciente Rosalina Wilscenski. E a coincidência é que ela tem o mesmo nome da minha mãe.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Reunião Mensal da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte - Dia 21 de julho

Encontro Vitalidade - Dia 19 de julho

Paciente chora ao ver pernas transplantadas

O paciente que, na segunda-feira, recebeu um transplante de pernas "chorou" ao ver suas novas extremidades, com as quais poderá andar "em seis ou sete meses", disse nesta terça-feira o médico Pedro Cavadas, responsável pela operação, a primeira desse tipo no mundo.
"O paciente está consciente desde a tarde de ontem. Feliz, ele começou a chorar quando viu as pernas", afirmou o cirurgião durante uma coletiva de imprensa no hospital La Fe de Valência, onde foi feita a operação.
"Eu imagino que será capaz de caminhar com o apoio de muletas, e acredito que em um longo prazo poderá andar sem apoio, mas isso já depende de como a reabilitação vai se desenvolver. Se ocorrer tudo como esperamos, seria realista pensar que em seis, sete meses ele pode estar caminhando", afirmou Cavadas.
Segundo o cirurgião, o paciente pode começar a movimentar as pernas em três semanas e em três meses sustentar seu peso nas novas extremidades.
O paciente, que Cavadas só detalhou ser um jovem "de vinte e poucos anos", tinha perdido as duas pernas em um acidente de trânsito.
A altura da amputação impedia o uso de próteses e o jovem "estava condenado à cadeira de rodas e suas possibilidades de voltar a andar eram zero", segundo Cavadas, famoso por ter realizado outros transplantes pioneiros.
O médico se mostrou cauteloso ao afirmar que 24 horas após a operação "é muito cedo, muita coisa ainda pode acontecer", mas "não esperamos que nada ocorra".
"O estado clínico é muito estável e logo vai poder sair da Unidade de Tratamento Intensivo", explicou Cavadas.

Médico espanhol realiza primeiro transplante de pernas no mundo

Esqueci de postar aqui no blog sobre essa tão importante notícia; mas aqui está a notícia um pouquinho atrasada. Este médico é pioneiro e especialista no assunto...

O cirurgião espanhol Pedro Cavadas concluiu na segunda-feira, dia 11, no Hospital La Fe de Valência, na Espanha, o primeiro transplante bilateral de pernas realizado no mundo, segundo informaram fontes do centro médico.
A intervenção realizada por Cavadas, com apoio da equipe de profissionais do hospital público La Fe, começou na noite de domingo e terminou na manhã da segunda-feira.
Trata-se da primeira vez no mundo que se realiza um transplante destas características e para realizá-lo foi fundamental a coordenação entre a Organização Nacional de Transplantes (ONT) e as equipes de profissionais da Fundação Pedro Cavadas e de médicos da rede pública valenciana.
Para realizar a intervenção, de "alta complexidade", não havia antecedentes nem experiências prévias, segundo as fontes, que não divulgaram dados sobre o paciente operado.
Segundo as fontes, Cavadas avalia ser necessário esperar pelo menos 48 horas para poder divulgar mais informações e apelaram à confidencialidade da doadora e do paciente.
O Diário Oficial da Comunidade Valenciana publicou em 4 de maio de 2010 a autorização concedida ao Hospital La Fe de Valência pela Secretaria de Saúde para o transplante de membros inferiores por um período de quatro anos.
Em 18 de agosto de 2009, o cirurgião Pedro Cavadas já havia realizado o primeiro transplante do mundo de rosto que incluiu mandíbula e língua, em um homem de 43 anos que recebeu alta cerca de um mês depois da intervenção.
O cirurgião é também o autor do primeiro transplante bilateral de antebraços e mãos em uma mulher colombiana, Alba Lucía, que foi operada em novembro de 2006 e que recebeu alta um ano e meio depois.
Além disso, em novembro de 2008, o médico conseguiu reimplantar a perna direita em um jovem de 20 anos que havia sido amputada em um acidente de trabalho.

Campanha "Use a cabeça, Mergulhe de Pé"

Campanha “Use a Cabeça, Mergulhe de Pé”
Campanha de Prevenção a LESÃO MEDULAR por mergulho em água rasa.

O Instituto Mover, organização não governamental de Goiânia, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar de Goiás e Sociedade Goiana de Neurocirurgia, lança neste mês de julho, impressos e baner´s (fixados em pontos de observação dos bombeiros nas águas do Rio Araguaia), com informações importantes, orientações e recomendações de segurança para os turistas que visitam o Rio Araguaia e outras localidades que tem a água como atração principal.

Os informativos trazem ilustrações e dados de pesquisas que indicam o alto índice de acidentes causados por mergulho em águas rasas, sobretudo nesta época do ano. Os estudos foram realizados pelo Centro de Pesquisa em Educação e Prevenção da Rede SARAH-DF e outras organizações voltadas ao socorro e reabilitação de portadores de tetraplegia, entre elas o Instituto de Ortopedia e Traumatologia da Faculdade de Medicina da USP.

Este material está fazendo parte do intenso esforço dos Bombeiros Militares na prevenção de acidentes durante a temporada do Rio Araguaia traz ainda alertas sobre a movimentação dos bancos de areia, pedras e galhos no fundo dos leitos dos rios além de valiosas dicas de procedimentos nos primeiros socorros. Pois o fundador da instituição, se envolveu em um acidente assim, quebrou o pescoço em duas vértebras, ficou em estado de tetraplegia por um tempo e recuperou seus movimentos devido a INFORMAÇÃO que tinha sobre o resgate correto mesmo de forma improvisada.

Junto a um grupo de parceiros a Instituição gravou e divulgará um vídeo com o Corpo de Bombeiros, que mostra o que fazer em caso de acidente em locais isolados sem a presença do Corpo de Bombeiros.

Se você vai curtir momentos de lazer na água, mergulhe nesta idea do Instituto Mover: “USE A CABEÇA, ENTRE PRIMEIRO COM OS PÉS”.


Uma iniciativa pioneira e importantíssima do Instituto Mover. Parabéns!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Ser fisioterapeuta...

Ser fisioterapeuta é ser um idealista convicto. Acreditar na idéia da reabilitação e da habilitação de pessoas. Habilitar desde o primeiro passinho do bebê até a marcha de um idoso.

É acreditar que o único estado imutável é a morte. É nunca desistir do tratamento, mesmo quando a cura pareça improvável e quando a cobrança do mundo pesar mais do que seus ombros puderem suportar.

Ser fisioterapeuta é ser criativo. Fazer do cabo da vassoura um bastão para ADM, do colchonete uma maca, do garrote fazer cinesioterapia. E fazer da simplicidade terapia e da terapia genialidade.

É quando faltam as máquinas sofisticadas, esteiras modernas, halteres coloridos, tornozeleiras com velcro, ainda haver fisioterapia, porque o teu instrumento de trabalho é a tua mão criativa e um sorriso largo no rosto.

Ser fisioterapeuta é maximizar as funções. Porque um corpo sem função é tão útil quanto um relógio quebrado, só serve por um segundo, uma vez ao dia. É dar função e movimento a vida. É ser homem ou mulher, com erros, defeitos, amores e medos. Ser fisioterapeuta é simplesmente ser humano.

terça-feira, 12 de julho de 2011

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Orientações posturais


O dia a dia das vértebras não é fácil: elas precisam sustentar o tronco e ainda se dobrar aos nossos desejos, por mais triviais que eles sejam. Para piorar, tamanha labuta geralmente é recompensada com falta de consideração — afinal, quantas pessoas se preocupam, nas suas próprias tarefas, em não forçar esse conjunto de ossos? E a união entre sobrecarga e descaso costuma ter apenas um desfecho: dor.

Com o intuito de assegurar o direito à saúde da espinha dorsal, a Associação Brasileira de Reabilitação da Coluna elaborou um novo guia que visa corrigir posturas do nosso cotidiano, como sentar-se em frente ao computador e até escovar os dentes.

80% das pessoas ao redor do globo já tiveram ou terão, ao longo da vida, ao menos um episódio de dor na coluna;

5,3 milhões de brasileiros sofrem com a hérnia de disco;

13% das consultas médicas são decorrentes de incômodos na região lombar.

O novo aliado da coluna
Um aparelho faz o próprio corpo aprender a preservar as costas de maneira eficaz
Seu nome, Stabilizer, já sugere o que ele faz. apesar de simples — trata-se de uma almofada especial colocada na região lombar durante a fisioterapia —, o equipamento "ensina" o corpo a contrair os músculos multífidos, localizados ao longo das vértebras. Treinada, essa musculatura é capaz de manter a espinha alinhada e de amortecer impactos. Só para citar um caso, pesquisadores australianos descobriram que quase todos os indivíduos com hérnia de disco tinham esses auxiliares da coluna atrofiados.

Como funciona
Ele faz as costas aguentarem as exigências do cotidiano.
Os multífidos são músculos profundos. Para acioná-los, é preciso estimular uma cadeia muscular que começa pelo transverso do abdômen. Só que contrair o transverso não é fácil — e mais, cada um o ativa de um jeito diferente. O Stabilizer ajuda a detectar quando o músculo é exigido. a partir daí, basta repetir o movimento que deu certo até que ele seja automatizado.

Orientações Práticas

1. Levantar-se da cama

Usar os músculos próximos do umbigo e os das costas para se erguer pode agredir as vértebras logo ao raiar do dia. Em vez disso, apoie-se nos braços, mais fortes e preparados, enquanto coloca as pernas para fora do leito. É importante realizar movimentos vagarosos quando se acorda. Após várias horas de sono, a musculatura não responde bem aos nossos pedidos e uma exigência intensa costuma terminar em incômodo.
Quando despertar, cuidado com o pescoço. Uma levantada brusca aumenta o risco de torcicolo.

2. Amarrar os sapatos

Inclinar-se demais para alcançar o cadarço é proibido. Quanto ao que se recomenda, há quem sugira cruzar as pernas. E isso é efetivo, porém, na prática, as pessoas têm dificuldades para adotar essa posição dos dois lados. Uma alternativa simples é buscar um apoio que eleve bastante o pé.

3. Escovar os dentes

De pé, a inclinação para a frente típica da escovação joga toda a pressão da gravidade diretamente nos discos vertebrais. Para acabar com a mania, coloque uma mão na pia e mantenha esse braço estendido. Deixar um dos membros inferiores dobrado, como na ilustração à direita, ativa uma musculatura do abdômen apta a suportar cargas, distribuindo melhor o peso corporal.

4. Dirigir

O caminho ao trabalho, quando percorrido de carro, apresenta ameaças específicas. A primeira — e talvez a maior delas — é o senso comum. Grande parte da população acha que o encosto deve ficar a 90 graus com relação ao banco. Isso aumenta a compressão sobre as vértebras. O ideal é abrir essa angulação um pouquinho, em torno de 100 a 110 graus. Certifique-se também de que os braços estejam suavemente dobrados e que as mãos fiquem logo acima da metade do volante. Se estiverem firmadas na parte de baixo, o trapézio reclama. Se ficarem muito no alto, é a região cervical que padece.
Em torno de 80% das dores lombares não têm razão conhecida. O jeito é se precaver em toda situação.

5. Mexer no computador


O escritório é um dos ambientes que mais causam transtornos à coluna pelo tempo sentado de maneira errada em frente ao monitor. Se em muitos casos não dá para fugir desse cara a cara prolongado com o computador, pelo menos é possível se relacionar com ele sem machucar tanto as costas. Comece pela tela: deixe-a a um braço de distância e certifique-se de que o topo dela esteja alinhado com a sua linha de visão. As coxas devem estar paralelas ao chão. E você reparou no apoio para os pés? Ele auxilia o retorno venoso e impede que as nádegas venham para a frente. mas não pode possuir mais do que 15 centímetros, sob o risco de desalinhar as pernas. Os braços devem estar em ângulo de 90 graus, apoiados e alinhados para evitar sobrecarga e dores nos punhos, porém a figura acima não mostra tal orientação.

6. Pegar uma criança no colo


Nada melhor do que tirar seu filho do chão e abraçá-lo assim que chegar em casa, não? Para não ter que abdicar desse hábito, ajoelhe-se em vez de dobrar o tronco quando for envolvê-lo em seus braços. E, na hora de se levantar, deixe-o bem junto do tórax.

7. Dormir

Para permitir que a coluna descanse, prefira repousar de lado e lance mão de um travesseiro que deixe o pescoço reto. Uma almofada entre as pernas alinha os ossos, diminuindo a probabilidade de uma lombalgia. Agora, atenção! Nada disso faz efeito se o colchão for mole ou duro demais.

Logo mais vou postar orientações de travesseiros e colchões também penssando em evitar dores nas costas e melhorar a qualidade do sono.

Seguindo essas dicas fica muito mais fácil evitar dores nas costas.